Por que devemos aceitar críticas?

Da mesma forma que trabalhamos para ser abertos e receptivos quando estamos em fases de mudanças, essas são qualidades que ajudam a trazer para os desafios da vida diária.

Um deles é o desafio de receber críticas.

Seja isso bom ou não, muitos de nós temos dificuldade em ouvir as críticas. Frequentemente levamos a sério o fato de nos tornarmos duros conosco, nos ferirmos na defensiva e até mesmo nos auto-depreciarmos.

Nossa mente de julgamento salta com uma autocrítica incisiva, deixando-nos envergonhados, desapontados ou como se tivéssemos falhado. É importante lembrar que a crítica muitas vezes é construtiva e visa nos ajudar a prosperar, e melhorar, em vez de nos ferir, aprender a ouvi-la de maneira aberta e receptivamente nos ajuda a ficar menos defensivos e menos emocionais, para que não percamos o ponto do que está sendo dito.

É claro que nem todas as críticas são construtivas, mas ouvir todas elas abertamente nos permite responder de uma forma calma e não reativa e até mesmo mais sábia.

Então, como aceitamos críticas?

Quando o seu chefe, amigo ou membro da família compartilha palavras que parecem incisivas ou ofensivas. Bem, podemos começar, respirando fundo e consciente, enquanto a pessoa com quem estamos falando está falando.

Podemos usar a respiração como uma ferramenta para ‘pausar’, pois tentamos permanecer abertos e não levar as coisas para o lado pessoal, mesmo que pareça pessoal.

Também pode ser útil descansar a mão em algum lugar que pareça aterrado, como a barriga ou o peito, mas, evite cruzar os braços.

O simples gesto pode ajudar-nos a sentir-nos seguros e abertos, para que possamos ouvir verdadeiramente as palavras ditas, sem nos desligarmos ou interrompermos.

E se estivermos sobrecarregados ou precisarmos de tempo para absorver suas críticas. É perfeitamente normal pedir um pouco de espaço e tempo para refletir, criar um pouco de distância nos permite reconhecer nossos sentimentos e mantê-los com compaixão.

A ideia de ocupar o espaço é criar um estado de espírito mais calmo e claro, a partir do qual possamos processar o que foi dito, com menos julgamento, observando os pontos válidos e deixando ir aqueles que não nos servem.

Podemos escolher quais partes ignorar e quais usar como feedback, a crítica se torna uma oportunidade de crescimento e autoaperfeiçoamento.

Portanto, da próxima vez que você receber críticas, reflita sobre as seguintes palavras de sabedoria, leve as críticas a sério, mas não pessoal. Se houver verdade, ou mérito e uma crítica válida, tente aprender com isso. Caso contrário, desconsidere e volte o seu foco e energia ao que importa.

Autoconfiança, é um processo.

Passamos boa parte das nossas vidas, lutando contra a insegurança que sentimos em nós. Muitas vezes por vergonha, medo e imaginando o que as pessoas vão pensar ao nosso respeito. Quando comecei a entender mais sobre autoconfiança, fiz um breve ‘rascunho/mapa mental’ sobre o assunto, basta ver tudo como um simples processo.

De tempos em tempos nós temos uma luta com a nossa autoconfiança e muitos de nós acreditamos que autoconfiança vem de conquistas externas.

Mas, a verdade é que a chave da autoconfiança está na habilidade de ser gentil e amigável com nós mesmos.

Apenas imagine, que você tenha uma grande apresentação no trabalho em frente do seu chefe, diretores e todos outros colegas de trabalho. Mesmo que você tenha se preparado e feito tudo perfeitamente, ainda terá uma situação que testa a confiança de qualquer um e aí você começa a ficar preocupado(a) sobre as piores possibilidades externas possíveis e durante a apresentação, esse nervosismo e ansiedade é o que nos desestabiliza.

Perceber esses pensamentos externos e interrompê-los é o primeiro passo.

Uma vez que você percebe essa tendência, você pode desviar sua atenção para a essência da gentileza e compaixão para você mesmo, sem julgamento, aceitando que se sua perfomance foi ‘pobre’ ou brilhante, você encontrará em você mesmo(a) a honra de que fez o seu melhor!

Mais uma coisa gentil para consigo mesmo(a), é não carregar um peso tão alto, pois, nós não somos dependentes da validação dos outros.

Talvez nós nunca vamos erradicar o sentimento de expirar dentro de nós mesmos mas, lembrando e tendo a consciência, atitude e aceitação sutilmente nossa insegurança começa a suavizar.

A raiz da verdadeira autoconfiança, cresce da nossa habilidade em ser incondicionalmente amigos de nós mesmos, treinando gentilmente e confiando na inteligência natural para navegar a vida.